sexta-feira, 31 de julho de 2009

A não perder, para quem gosta de vinhos e do Algarve sem duplo éle


Bem sei que envolve uma figura um quanto foleira no estilo, o dinossáurico Cliff Richards. Ainda assim, é uma questão de bom gosto e bom senso: o Algarve para além do Allgarve.
Afinal, afinal, sempre há bons vinhos na província mais ao sul. Demorou mas foi. Este fim-de-semana, na sua rubrica do costume, «vinhos ao domingo». Imperdível.

Até lá!!

E por falar em relacionamento especial entre política e justiça...

...nada como saltar do Brasil de Sarney para o «Portugal dos pequeninos» para se constatar como aqui até os políticos locais (mas que gostam de viajar para o Brasil) têm direito a tv em directo e com happy end.

Por sinal, o último dos 310 comentários à notícia do Público que inspirou este post arranca em beleza: «Portugal no seu melhor»! É isso aí, galera. O Brasil maior, o Portugal melhor!!

quinta-feira, 30 de julho de 2009

A trajetória “política” de um gangster tupiniquim

sarney e lula Os escândalos envolvendo o atual presidente do Senado brasileiro e seu clã é coisa bem antiga e não é novidade alguma pra qualquer pessoa relativamente bem informada sobre a política brasileira dos últimos anos. José Ribamar Sarney se vê às voltas com denúncias de irregularidades desde que chegou à presidência da República (por via indireta, diga-se), em 1985. As acusações durante todo o seu governo iam desde fraude em grandes obras públicas (tipo Ferrovia Norte-Sul) até concessões irregulares a parlamentares amigos de emissoras de rádio e TV (v. aqui a atual situação).

Além disso, Sarney e os filhos enfrentam outras graves denuncias de corrupção desde 1989, mas até o momento sobreviveram ilesos. E como sobreviveram! Tanto é que continuam a mandar e desmandar no Brasil. Todas as investigações contra Sarney ou seus queridos rebentos, desde a CPI da Corrupção, em 1989, até o escândalo da Sudam (que provocou um desvio de R$ 1.700.000.000,00) sempre esbarraram em manobras políticas e, principalmente, em decisões judiciais suspeitas.

E o mais triste de tudo isso é o apoio incondicional que o presidente Lula vem dando a este gangster (v.aqui), que representa todo o atraso deste país, o coronelismo, a oligarquia política retrógada e feudal. Enfim, um dinossauro de rapina que fez e faz do Brasil um imenso balcão de negócios pra si, parentes e aliados políticos.

Eis aqui a trajetória “política” do dito cujo:

1.988 – Relatório da CPI da Corrupção propõe o seu indiciamento por crime de responsabilidade por irregularidades cometida em seu governo. Resultado: a denúncia foi arquivada logo em seguida.

1.989 – Outra CPI da Corrupção, desta vez envolvendo também 4 de seus ministros, tem o mesmo destino da primeira: é arquivada descaradamente. Os senadores recorrem à Justiça, mas tudo ficou com dantes.

1.993 – Durante a CPI do Orçamento, a Construtora Servaz é envolvida num esquema de propinas junto à Comissão de Orçamento. Por coincidência, a tal construtora foi a responsável por amplas e caras reformas em várias propriedades da família Sarney.

2.000 – Roseane Sarney (a filha), então governadora do Maranhão (o quintal da família e o pior IDH do Brasil) e candidata à presidência da República, é envolvida no escândalo da Sudan, de onde foram desviados 1.700.000.000,00 de reais. Misteriosamente, a denúncia foi arquivada pela Justiça. São as forças ocultas...

2.009 – Mais de 600 “atos secretos” foram decretados para nomear parentes, amigos, criar cargos e aumentar salários. Entre os beneficiados, constam nomeações de parentes, amigos e afilhados políticos de Sarney.

- Sarney recebe estranho auxílio moradia no valor de 3.800 reais mensais. Tudo bem não fosse um pequeno detalhe: ele mora em Brasília, mas não tinha se dado conta disso.

- Fernando Sarney, o filho, e nora Teresa Cristina Murad Sarney são indiciados pela Polícia Federal pelos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, entre outros. Isso é o que se pode chamar de matrimônio unido e feliz.

- Uma mansão em Brasília (no valor de 4.000.000,00 de reais) não foi declarada à Justiça Eleitoral. Bem, mais é um valor quase insignificante, pois sim. Afinal, para quem já amealhou uma grande fortuna ao logo de sua atividade política, 4 milhões a mais ou 4 milhões a menos não fazem a menor diferença. É só mais uma perseguição da Imprensa tupiniquim.

- Fundação José Sarney é acusada de desviar recursos de patrocínio da Petrobrás para empresas fantasmas. Bem, como o dinheiro é de uma estatal bem rica, tudo bem. Mesmo porque a Petrobrás é uma das empresas que mais faturam no mundo. E tudo não passa de um complô de seus inimigos políticos.

- Mordomo pago pelo Senado prestava serviços na residência de Roseane Sarney desde 2.003. Detalhe: o salário do rapaz era de 12 mil reais, quando o salário mínimo brasileiro não passa dos 500 reais.

- Gravações da Polícia Federal, com autorização da Justiça, revelam a prática do sórdido nepotismo pela família Sarney. E neste caso, até o pobre Deus foi envolvido na negociata (aqui o áudio). É aquela velha história: Deus abençoa e o Zé Povinho paga.

Quer mais, ou isto ainda é pouco?

Vale tudo, incluindo vale-bebés

No afã propagandístico que contaminou o socratismo, aí está a última: o vale-bebés, um novo brinde para a banca portuguesa, tão debilitada que está, alegadamente para incentivar a natalidade.

A coisa explica-se brevemente: se ganhar as eleições legislativas, o PS diz que dará um vale de 200 euros por cada recém-nascido, obrigatoriamente a depositar num banco e que só poderá ser levantado pelo próprio quando perfizer 18 anos de idade. Ou seja, a banca amealha 200€ por cada nado novo, e durante 18 anos. Depois disso, lá para 2025 ou mais além, devolve 500€ ao petiz entretanto crescido, se ainda existir e se os pais entretanto não tiverem pago várias vezes esse valor por empréstimos à habitação, estudos, etc..

Fantástico, Mike!

Já quanto à melhoria da rede pública de infantários/ creches e à extensão para 1 ano da licença de paternidade, está quieto, que isso dá muito trabalho e não enche o olho.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

BBC Proms

Está a decorrer o que é frequentemente descrito como o maior e mais democrático festival de música clássica do mundo. Este ano, o BBC Proms conta com mais de 100 concertos no também espectacularmente redondo Royal Albert Hall. Os bilhetes podem ser caros ou baratos. É possível ver o concerto em camarotes, de pé, sentado e deitado no chão. O público varia igualmente. Há jovens hippies de mochila às costas a beberem Coca-Cola misturados com octagenários requintados e famosos que chegam de Rolls Royce e bebem champanhe. É mesmo um espectáculo.

terça-feira, 28 de julho de 2009

George Russell (1914 -2009)

GeorgeRussell O compositor de jazz George Russell, cujas teorias influenciaram a música modal de Miles Davis e John Coltrane, morreu ontem aos 86 anos. Mais.

Novamente a tal Ibéria

Peninsula20T Parece que resolveram colocar novamente lenha na fogueira. Segundo uma sondagem realizada pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Salamanca, com o apoio do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa de Lisboa, 40 % dos portugueses é favorável à ideia de uma formação ibérica, enquanto 30 % dos espanhóis é da mesma opinião. Se considerarmos que pouco mais de 30 % dos cidadãos de ambos os países são contra a tal proposta, vale dizer assim que a maioria aceitaria numa boa a tese iberista defendida por Saramago. Como perguntar no doi nadinha, como ficaria então o sistema político de uma futura Ibéria? Seria uma República monárquica ou uma monarquia Republicana? Mais aqui (português) e aqui (castelhano).

File, a arte do algoritmo

Começa hoje e vai até o dia 30 de agosto a 10º edição do File (Festival Internacional de Linguagem Eletrônica). O evento, considerado o mais importante na área de arte e tecnologia (ou arte contemporânea, como desejam muitos) da América Latina, reunirá mais de 300 artistas, de 30 nacionalidades, na Galeria de Arte do Sesi, na avenida Paulista, São Paulo. Em poucas palavras, o que se verá no File é uma arte onde algoritmos substituem os tradicionais pincéis, tintas e telas.

protomembrana Entre os artistas convidados, estão grupos, coletivos e alguns acadêmicos, especialistas nessa nova linguagem artística. Pelo lado acadêmico, o grande nome a aportar em Terras Brasilis será o do russo Lev Manovich, referência entre os teóricos da área de novas mídias digitais. Já na área artística, destaco a presença do espanhol Marcel.lí Antúnez Roca. Reconhecido internacionalmente por suas performances mecatrônicas e instalações robóticas, Marcel.lí apresentará a sua obra de repertório pluralista “Protomembrana” (foto), onde utiliza uma narrativa verbal, animação gráfica, iluminação e música.

file 2009 Outra figura de peso a se apresentar será o grupo norte-americano Graffiti Research Lab. Eles virão ao Brasil com uma caneta a laser com a qual é possível grafitar grandes dimensões, como superfícies de prédios, graças a um projetor de grande escala.

O evento deste ano também trará uma grande novidade. Trata-se do “File 2008 Milhões de Pixels”, uma referência ao cinema de tecnologia 4K, com imagens de 8 milhões de pixels por frame. Depois de mais de um ano de estudos, um grupo de especialistas transmitirá, pela primeira vez na história, um filme de super alta definição. Trata-se do longa “Enquanto a Noite Não Chega”, que foi dirigido por Beto Souza e aborda como tema central o fim da vida. Ao todo serão apresentados 14 títulos com essa nova tecnologia.

Luso-brasileirismos: encontros e desencontros da era socrática

No afã Kim-il-Sung que assoma a actividade do governo português, em cruzeiro propagandístico de há uns meses para cá, eis mais uma história a juntar a tantas outras: a da aeronáutica nacional, ou o milagre socratista duma indústria de ponta em terras do macaqueado Allgarve.
Entre contrafacções de feira e excitações propagandísticas, venha o cliente e escolha.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Portugal: risco de derrocada

Estou agora mesmo a ver uma reportagem em directo (SIC-Notícias) sobre mais um prédio em risco de derrocada, em Lisboa. É em pleno centro do populoso e movimentado bairro de Campo de Ourique, obrigou a encerramento de rua, com perímetro de segurança. Aguarda-se a chegada não sei de quem.

O edifício é um prédio modernista dos anos 50/60, daqueles bem sólidos. Só a incúria propositada, com vista à especulação imobiliária, permite que um prédio destes esteja no estado em que está. Agora, regularmente, repete-se a história: ou é um incêndio, ou é uma derrocada, que vai atingindo parte do edificado de Lisboa (e das restantes grandes cidades portuguesas); entretanto, uma parte significativa do edificado, mesmo em áreas nobres das urbes (daquelas que fazem parte dos circuitos turísticos, incluindo o centro administrativo e de negócios), está entregue ao mais completo estado de degradação, com risco sério para a segurança dos moradores (os que restam) e peões, sob a costumeira passividade das autoridades públicas. Até quando perdurará a inércia e ficarão impunes estes crimes?

domingo, 26 de julho de 2009

A gripe irónica


Manuela Ferreira Leite diz que não vai a Chão da Lagoa porque apanhou uma gripe. A gripe é acaso, estratégia ou conspiração? Esta fotografia em que parece que está quase a espirrar não vale como prova, pois foi tirada antes da notícia contaminar a comunicação social. A avaliar pelas reacções à notícia, aqui, muita gente acha a gripe demasiado conveniente. Assim Manuela Ferreira Leite evita comprometer-se com os disparates de Alberto João Jardim. Assim evita comentá-los ou demarcar-se deles. Assim evita a incomodidade de fazer política.
Espanta a secura da notícia sobre a principal líder da oposição e candidata a primeira-ministra. Até sobre o ainda vago acidente de Sarkozy temos mais informação. E não paira sobre ele a hipótese de ter sido contagiado pela epidemia do ano. Trata-se ou não da gripe A? Está a ser acompanhada por um médico do Serviço Nacional de Saúde ou privado?

Aqui como no resto a política de verdade é política de omissão. O silêncio é laranja e abre caminho a interpretações que vão desde a estratégia política à teoria da conspiração. Será que Manuela Ferreira Leite leu este poste do Daniel Melo, resolveu imunizar-se contra a gripe e depois avança para uma guerra biológica? Não o creio. Esta gripe deve ser apenas outra ironia.




Há 50 anos morria a maior voz feminina do jazz/blues: Lady Day

billie_holiday

No dia 17 de julho de 1959 toda a melancolia de Billie Holiday (ou simplesmente Lady Day) juntava-se para sempre às estrelas de primeira grandeza do infinito. Morria então a voz triste e o profundo lamento do jazz/blues. A voz que parecia sintetizar uma dor viva, com interpretações lancinantes, calava-se para sempre. E a música perdia assim um pouco de sua poética e de sua emoção.

sábado, 25 de julho de 2009

25 de Xullo. Día da Patria Galega



Hoxe é día 25 de Xullo... é o Día grande de Galiza, o Día da Patria Galega...

Parabéns a tódolos/as galegos/as, a todos/as os que se senten galegos/as, viven en Galiza ou sinxelamente, aprecian á nosa terra e a nosa cultura...


Como dixera Castelao, o 25 de Xullo é: "A máis grande festa de Galiza, a máis grande festa de todos os galegos".

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Senhores projectos



Uma casa de papel para um ser de palavras, um projecto de arquitectura para uma, ou várias, personagens dos livrinhos de «O Bairro» de Gonçalo M. Tavares. Foi este o desafio colocado a um grupo de alunos universitários de arquitectura. O resultado está patente ao público no Lx Factory, em Alcântara.
Gonçalo M. Tavares na «poética» que tem desenvolvido sobre «Bloom Books», declara, aqui, que na ficção não faz sentido a perguntar: onde? Ou, se o fizermos, não devemos levantar os olhos do texto. A história que estamos a ler acontece mesmo na página escrita. Mas como também escreve noutro lugar qualquer da sua «poética» que o texto não deve imitar a fotografia, temos a liberdade de construir as nossas imagens das histórias e de compará-las com as imagens que outros criaram. O senhor Valery, o senhor Kraus, o senhor Brecht podiam mesmo habitar as maquetes em exposição no Lx Factory? Para responder a esta pergunta é mesmo preciso levantar os olhos do texto, sair de casa e ir lá ver. Aqueles projectos de habitação podiam tornar-se reais e povoar Alfama, o Bairro Alto, etc? Na minha opinião de leigo alguns tinham pernas para ficar de pé frente ao rio.
Quanto à «poética» de Gonçalo M. Tavares, Borges escreveu que o valor de qualquer «poética» reside não em ser mais verdadeira do que outra, mas em ser mais estimulante para o escritor que a inventou ou adoptou. Que lhe faça, pois, bom proveito.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Apelo a reunião de par especial

Acabei de ouvir a dr.ª Manuela Ferreira Leite, putativa premiê lusa, a dizer na tv que não emprestava a bola aos outros meninos porque não, etc. e tal. Mas o que me chamou a atenção foi a sua voz engripada.
Fez-se luz! Queres ver que está com a tal gripe A? Oh, deuses  da fortuna!

Será possível que ela se encontre, já, já, com o actual premiê? Sim? Seria ouro sobre azul, passar sem os ouvir durante umas semanas...

Vá lá!!

Só um encontrozinho breve de trabalho...

Um triste e preocupante caso português a la Michael Moore

«Guerra entre farmacêuticas pode estar por trás do caso dos doentes em risco de ficarem cegos».

O filme a que aludo no título é o documentário Sicko, de Michael Moore.

O caso está sob investigação e ainda aguarda relatório da Inspecção-Geral de Saúde.

“Está para nascer um primeiro-ministro que faça melhor no défice do que eu” (José Sócrates – 22/07/09)

Como ando deveras musical ultimamente, vai aqui uma canção para o narcísico primeiro-ministro português. Trata-se de uma composição gravada lá nos idos anos 80 pelo hilariante grupo tupiniquim Ultraje a Rigor: “Eu Me Amo”. E sem mais delongas.

Há quanto tempo eu vinha me procurando
Quanto tempo faz, já nem lembro mais
Sempre correndo atrás de mim feito um louco
Tentando sair desse meu sufoco
Eu era tudo que eu podia querer
Era tão simples e eu custei prá aprender
Daqui prá frente nova vida eu terei
Sempre a meu lado bem feliz eu serei

Refrão
Eu me amo, eu me amo
Não posso mais viver sem mim

Como foi bom eu ter aparecido
Nessa minha vida já um tanto sofrida
Já não sabia mais o que fazer
Prá eu gostar de mim , me aceitar assim
Eu que queria tanto ter alguém
Agora eu sei sem mim eu não sou ninguém
Longe de mim nada mais faz sentido
Prá toda vida eu quero estar comigo

Refrão

Foi tão difícil prá eu me encontrar
É muito fácil um grande amor acabar , mas
Eu vou lutar por esse amor até o fim
Não vou mais deixar eu fugir de mim
Agora eu tenho uma razão pra viver
Agora eu posso até gostar de você
Completamente eu vou poder me entregar
É bem melhor você sabendo se amar

Não há melhor Dantas vivo por aí para escolha?

Para quem não saiba, Pais é encenador teatral. O Dantas original, que mereceu o famoso Manifesto anti-Dantas de Almada Negreiros, foi dramaturgo, para muitos, serôdio e convencional, mas, acima de tudo, um sempre-em-pé situacionista, tendo sacado um «cargo vitalício» enquanto inspector superior das Bibliotecas e Arquivos (até aos anos 1960, existiram destes cargos no Estado português...).

Ah, e outro detalhe importante: Almada tomava Dantas como símbolo 'maior' duma má geração, imprestável, arranjista, etc., e nomeava várias outras figuras. Por isso, este novo 'manifesto' deixa no ar um enigma: qual é a geração de Pais?

Aqui ficam algumas interrogações e inquietações. Na dúvida: Mais pum mais! Venham de lá outros manifestos, mais vale pecar por excesso do que por defeito!

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Mini-errata sobre acordo lesivo do interesse público

Para que conste, o texto da auditoria do Tribunal de Contas à concessão do terminal de contentores de Alcântara (Lisboa) não diz que este contrato foi «ruinoso» (como referi aqui, seguindo os media) mas sim que «não consubstancia nem um bom negócio, nem um bom exemplo, para o Sector Público, em termos de boa gestão financeira e de adequada protecção dos interesses financeiros públicos». Entre os vários pontos deste mau negócio saliente-se o facto de ser o Estado a assumir os maiores riscos. A solução prudente teria sido esperar o concurso público internacional em 2015.

Feita a corrigenda, o caso mantém os mesmos contornos: trata-se dum acordo lesivo do interesse público. O ministro da pasta, Mário Lino, respondeu assim que o relatório foi divulgado publicamente, o que é um novo marco nas oficiais manobras de diversão. Debalde, a maioria dos cidadãos portugueses continuará a considerar o Tribunal de Contas uma fonte de maior confiança do que o actual governo. O facto do seu presidente ser também do partido do governo devia até ser razão de maior contenção e reflexão por parte dos governantes, mas parece que não. Preferem a teimosia no erro político do que a correcção dos pontos negativos denunciados.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Dá forças, tem um livro de recordes e faz 250 anos!

É verdade, a famosa cervejeira Guinness completa um aniversário redondo, de fazer inveja a muita concorrência; à portuguesa, por exemplo, mas não à belga, que tem cerveja 'medieval'.
A Guinness surgiu irlandesa mas hoje é conhecida em todo o mundo, mais graças ao seu livro de recordes do que propriamente à sua degustação. É que é cara, forte, preta e tem aquele sabor a café que nem todos apreciam. E porque há poucos sítios para bebê-la de pressão, pois de garrafa não é a mesma coisa.
Seja como for, sortudos dos que, depois do trabalho, a podem saborear.
Então, parabéns à cremosa bebida e muitos anos de vida.
Nb: a imagem reproduz o cartaz «Lovely day for a Guinness», de John Gilroy (o 1.º desta série surgiu em 1935); recomenda-se uma visita à galeria de cartazes da marca.

domingo, 19 de julho de 2009

As contas do Sr. Sarkozy

As boas contas fazem os bons amigos, excepto no caso de Nicolas Sarkozy. Pela primeira vez em França o Tribunal de Contas inspeccionou as contas de um Presidente da República (relatório disponível aqui). Como resultado Nicolas Sarkozy teve que devolver 14000 euros ao estado, de despesas particulares pagas "por engano" com dinheiros públicos. Mas 14000 euros não é nada comparado com os quase 400 mil que a presidência pagou à empresa Opinion Way, ao longo de 2008, para encomendar sondagens que foram depois publicadas em media supostamente independentes, no caso o Le Figaro e a LCI. Temos portanto o presidente a tentar manipular a opinião pública à custa do dinheiro dos contribuintes, e não foram uma nem duas sondagens, foram 15 num ano, ou seja mais de uma por mês. O Tribunal de Contas criticou severamente estas sondagens "patrocinadas" pela presidência ("commandités" é a palavra usada no relatório) e outras despesas ainda como por exemplo as viagens oficiais, em que considera que podem ser feitas economias. O Le Figaro pelo seu lado decidiu não mais publicar qualquer sondagem realizada empresa OpinionWay porque prejudicam a credibilidade do jornal.

50 anos de “Time Out” (Dave Brubeck Quartet)

Entre os meses de julho e agosto de 1959, o Dave Brubeck Quartet entrava nos estúdios da Columbia Records para gravar nada mais nada menos que o “Time Out”, uma pérola musical e um dos álbuns mais vendidos de toda a história do jazz. O quarteto era composto por Paul Desmond (sax alto), Joe Morello (bateria), Eugene Wright (baixo) e, é claro, pelo piano magistral de Brubeck. Detalhe: a única música do disco não composta por Brubeck foi “Take five”, criada sem qualquer pretensão por Desmond durante um ensaio do grupo, e que se tornaria um dos temas mais populares do jazz.

Para quem gosta de Brubeck (este é o meu caso) e não conta com este disco na sua discoteca, uma ótima notícia. A Sony Music lançou uma edição especial comemorativa dos 50 anos de “Time Out”. Do pacote constam um CD (totalmente remasterizado do álbum original), um DVD com uma longa entrevista de Brubeck e um outro CD com 8 faixas inéditas, gravadas durante o Festival de Newport, em 1961, 1963 e 1964.

time out


Músicas do LP original:

Lado “A”

1 - Blue Rondo à la Turk

2 - Strange Meadow Lark

3 - Take Five

Lado “B”

1 - Three to Get Ready

2 - Kathy’s Waltz

3 - Everybody’s Jumpin

4 - Pick Up Sticks

sábado, 18 de julho de 2009

Nisto dos homossexuais serem excluídos da doação de sangue, há uma pergunta óbvia que deve ser feita

O Instituto Português do Sangue (IPS) exclui os homens homossexuais da doação de sangue. Ministério da Saúde alega agora que há estudos científicos que demonstram que a homossexualidade masculina é um factor de risco na transmissão de doenças por transfusão de sangue. Há uma pergunta óbiva, que ainda não vi ninguém colocar (seguramente distracção minha): Que estudos científicos são esses?
Gabriel Olim (presidente do IPS) repete a ladaínha das evidências científicas, sem nos dizer de que estudos científicos fala. Se por hipótese - no mínimo improvável - houver algum estudo empírico sério que demonstre que um homem ser homossexual, e não os comportamentos de risco, são predictivos da doação de sangue contaminado, então a posição do IPS é aceitável (Miguel Vale de Almeida e Fernanda Câncio, por exemplo, recusam esta hipótese por uma questão de princípio, mas nestes casos acho que os dados empíricos valem mais do que os princípios). Acontece que Olim não fala de factores que permitam predizer o risco de contaminação por transfusão, mas de uma vaga taxa de prevalência de patogenes e de umas risíveis "razões anatómicas" (sic). Desde já as "evidências científicas" parecem frágeis.
Se por outro lado - bastante mais provável - os tais estudos científicos não existirem, ou não forem minimamente credíveis, ou forem grosseiramente mal interpretados por Olim e pelo IPS, que prova melhor da discriminação contra os homossexuais, e má-fé, pode haver? Em qualquer dos casos, deveríamos estar a discutir os tais estudos científicos, em vez de proclamar declarações de princípio e discutir em abstracto.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

O choque tecnológico em perspectiva comparada: paga, Zé, e não bufes

É isso aí: quem vive em Portugal paga 20% mais para aceder à Internet do que na restante UE, e 15% mais pelas chamadas de telemóvel.

Estes dados, relativos a 2008, constam dum estudo divulgado pela Autoridade da Concorrência e é mais um dos grandes feitos do bombástico «choque tecnológico» da era socratista.

Crise? Qual crise! Regulação? Qual regulação, qual quê! O Zé pagante cá está para albardar a vontade ao dono.

Negócio do terminal de Alcântara considerado «ruinoso» para o Estado

Confirma-se a informação avançada há uns meses atrás: o acordo que o governo português assumiu com uma empresa liderada por um ex-ministro do partido no governo (a Liscont, do grupo Mota-Engil) para prorrogar a concessão do terminal de mercadorias de Lisboa por mais 27 anos por ajuste directo contraria o interesse público. Quem o diz é o Tribunal de Contas, a mais alta entidade de fiscalização, secundado assim o seu relatório preliminar.

O governo já entrou em manobras de contra-informação, dizendo que não é o relatório final, ou que ainda não o recebeu, consoante as fontes. Mas o facto é que o Ministério Público está a investigar o caso. E o parlamento protestou por lhe ter sido entregue uma cópia rasurada do contrato, faltando partes relevantes como a arquitectura financeira do projecto e a calendarização das obras.

Este é um caso exemplar sobre como os governos por cá estão mal habituados. Fazem o que querem porque se sentem protegidos contra penalizações fortes. Mas o tempo da opinião pública sem capacidade para exprimir a sua crítica está a passar. E os media também estão agora mais atentos.

Manobras de diversão.

Já deve ir para mais de 30 anos que o Alberto João utiliza estas tácticas, mas pelos vistos ainda funciona. Pois que desta vez a criatura resolveu propor umas alterações à Constiruição da República, entres as quais a proibição do Comunismo. E claro que, como é hábito nestas situações, qual reflexo pavloviano, anda meio mundo a debater se o Alberto João lá botou novamente disparate ou se nem se deve dar atenção ao que o senhor diz. Lendo a notícia toda pode encontrar-se lá no finzinho "Ao todo são 30 as alterações propostas à Constituição, quase todas reforçando os poderes das regiões autónomas, que se a proposta for por diante, devem passar a aparecer referidas em maiúsculas no texto constitucional". Claro que o Alberto João está preocupadíssimo com o Comunismo, vê-se logo. Ele até gostaria que estivessemos a discutir os poderes das regiões autónomas, mas o Comunismo é uma ameaça perigosíssima, e discutí-lo torna-se prioritário, urgente.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Com a cabeça na lua

É já nesta madrugada que a missão Apolo 11 faz 40 anos, e com ela as primeiras pegadas terráqueas na vizinha Lua.
Para homenagear este «grande passo para a humanidade» há um site que está a redifundir o feito «em tempo real». Porque daqui a um pouco (9h32) a nave espacial estará de abalada...
O site chama-se We Choose The Moon, é interactivo, tem relato audio, fotos, videos, entre outras preciosidades.
Recomendado para os aluados, lunáticos e apreciadores de proezas tecnológicas. E civilizacionais.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Ojos de Brujo, a mágica fusão do flamenco



“A fusão faz parte da vida, a pureza não.” É com este conceito que o grupo catalão Ojos de Brujo faz de sua música um manifesto rítmico-libertário. E é exatamente da mistura de vários gêneros que explode toda a magia sonora desses “bruxos” maravilhosos. Da fusão da rumba catalã, do rap, do funk, do rock, do fandango, da música eletrônica com a sensualidade e o lamento do flamenco tradicional resulta uma sonoridade plural, sem qualquer formalismo, mas de genética vibrante e original.

Em suma, Ojos de Brujo é um grupo absolutamente inovador, onde a magia cigana de Ramón Giménez (guitarra flamenca, palmas) se funde à extraordinária voz - de DNA também cigano - de Mariana “La Canillas” (ex-punk rock, atriz e desenhista). Xavi Turull (o guru “indiano” das percussões), Panko (o mago do scratching), Juanlu "El Canijo" (baixo), Max (percussões, beat box), Sergio Ramos (bateria), Paco Lomeña (guitarra espanhola) e Eli Belmonte (toda a sensualidade do bailado flamenco) são os demais “bruxos”, que fazem de suas apresentações ao vivo uma fantástica torrente de sons, ritmos, movimentos e cores. Só vendo (e ouvindo) pra crer.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Palma Inácio, o último romântico aventureiro da resistência (1922-2009)

Era uma das figuras lendárias da resistência antifascista portuguesa, com merecimento. Faleceu hoje, aos 87 anos de idade.
Hermínio da Palma Inácio começou cedo a sua luta antiditatorial. Tinha 25 anos quando participou numa tentativa de deposição de Salazar, a Abrilada de 1947. Foi dos poucos a cumprir a sua parte, sabotando 20 aviões da base aérea de Sintra. Fracassado o golpe, passou à clandestinidade, mas seria preso em Setembro. Por pouco tempo: consegue fugir do Aljube 8 meses depois, numa fuga aparatosa. Refugia-se temporariamente em Casablanca, daí partindo para os EUA, onde tira o brevet de aviador civil. Pressionado para ser deportado, escapa-se para o Brasil, onde conhece Henrique Galvão e Humberto Delgado, ex-tenentes do 28 de Maio, bem como outras figuras ligadas ao anti-salazarismo.
É aquele brevet que abrirá portas para o 1.º acto de pirataria aérea internacional, desviando um avião da TAP que fazia a ligação Lisboa-Casablanca, aproveitado para o lançamento de folhetos anti-Salazar sobre Lisboa e várias cidades do Sul, no final de 1961, já depois do início da guerra colonial.
Antes, dera-se o assalto ao paquete Santa Maria, o 1.º acto de pirataria marítima internacional. Nele participaram Galvão, Camilo Mortágua e antifranquistas, todos eles ligados ao DRIL- Directório Revolucionário Ibérico de Libertação.
Palma Inácio identificava-se com esta faceta da resistência antifascista, na sua opção pela ousadia e a acção armada, e no seu relativo distanciamento face ao comunismo, que então inspirava grande parte dos movimentos guerrilheiros.
Seja como for, e dado o seu gradual afastamento face a Delgado e Galvão (que pontificavam no Brasil), dedide retornar à Europa para formar uma organização revolucionária ligada à acção directa, a Liga de Unidade e Acção Revolucionária (LUAR). A LUAR estreia-se com o assalto à dependência do Banco de Portugal na Figueira da Foz, em 1967, arrebanhando 30 mil contos (hoje, 150 mil euros), uma maquia então avultada. Detido pela Interpol, em Paris, é solto pouco depois, dado que o tribunal considerou o acto um assunto político.
No ano seguinte, e apesar das desavenças com outro correligionário, Emídio Guerreiro, resolve entrar de novo em Portugal e ocupar a Covilhã, ponto estratégico para uma acção de guerrilha inspiradora duma insurreição geral. Falha, é de novo preso, e de novo volta a escapar-se, para Espanha. Aí é preso, sendo libertado um ano depois. De França regressa a Portugal, em 1972, para nova operação audaz (o rapto de figurões do regime), mas é de novo detido. Dos calabouços só sairá com a revolução de 1974. Nesta fase, deixa de se identificar com a linha assumida pela LUAR e inscreve-se no PS, mas abandonando em definitivo a «política activa».
A 1 de Maio de 2007 fora-lhe prestada uma homenagem, com uma mostra documental e a atribuição do seu nome a um largo da sua vila natal, Ferragudo.
Para mais detalhes vd. entradas específicas no Dicionário de história do Estado Novo (esta feita por moi-même!) e no Dicionário de história de Portugal (suplemento) e a reportagem «Radiografia de um golpe de charme», por Paulo Moura.
Nb: imagem retirada daqui.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A verdadeira razão pela qual Sarah Palin se demitiu de governadora do Alaska

Incompetência (à qual o seu fervor religioso não será alheio - digo eu).

domingo, 12 de julho de 2009

Ensaio sobre a «cornice»


Há mais de uma semana que parte da imprensa nacional e estrangeira gasta tinta e energia a tentar resolver um enigma: que raio é que quis dizer Manuel Pinho quando levou os dois indicadores espetados à testa, em plena sessão parlamentar?
Este poste é um subsídio para tentar resolver a magna questão que inspirou uma peça de antologia da BBCnews aqui. Li o texto imaginando-o recitado por um daqueles apresentadores vestidos com uma camisa de mangas curtas e calções que costumam aparecer nos documentários da National Geographic e com um daqueles esplêndidos sotaques adquiridos nas public schools. Neste caso o objecto documentado é uma particularidade dos costumes da fauna mediterrânica. Não falta o douto comentário do correspondente da BBC em Roma nem o depoimento de um editor de política do Diário de Notícias.
O texto não esgota no entanto todas as interpretações possíveis de um gesto que em Portugal possui grande densidade simbólica. Há uns anos um aluno de Direito de Lisboa, em pleno em exame, virou-se para o professor e perguntou-lhe: «O professor está a marrar comigo? Por que é que não vai antes marrar com o comboio de Chelas?» Apanhou um ano de suspensão. Neste caso o aluno sentiu-se acossado, tal como Pinho. A diferença é que o ministro da Economia, ao contrário do aluno, ocupava o lugar de poder. O gesto para Bernardino Soares, dirigente do PCP, pode também significar que Pinho lhe chamou «diabo». Se foi essa a intenção, a ofensa é ambígua, pois O Diabo foi um justamente prestigiado jornal da esquerda intelectual nos anos 30. Se Pinho chamou a outra pessoa diabo é porque se viu a si mesmo no lugar de Deus. Bendita portanto a demissão, em nome do Estado laico.
Muito haveria a reflectir sobre o sentido dos cornos e apercebo-me agora a falta que me fez não ter lido Nos Cornos da Vida, de Beatriz Costa, um relato autobiográfico com o qual certamente todos teríamos a aprender e que desde já recomendo a eventuais correspondentes da BBC que voltem a escrever sobre o tema.




Ó Obama: fazes o favor de nos devolver o Bo imediatamente, sim?

Image and video hosting by TinyPic

Então o malandro do Obama foi ao Gana dizer que uma das maravilhas portuguesas espalhadas pelo mundo lhe fazia lembrar, por ter sido um "notorious slave port", o campo de concentração nazi de Buchenwald?

E notem que, segundo o New York Times, ele disse isto enquanto estava especialmente sóbrio:

Mr. Obama, rarely one to display emotion, seemed especially sober. He said the castle [of Cape Coast, isto é, a fortaleza de São Jorge da Mina] reminded him of the Buchenwald concentration camp"

Ah, o anti-tuga!

Ah, o espertalhaço!

Ah, o neo-multi-presidente que parecia tão modernaço!

E o que fazem os altos senhores que patrocinaram as sete maravilhas? Cavaco, a RTP, o Instituto Camões... Nada. Silêncio sepulcral de cobardes que calam e consentem.

Eu não proponho que como represália se exija a retirada dos americanos das Lages, não. Isso são ameaças demagógicas de esquerdistas de outros tempos. No mundo mediático atual, é preciso ser realista e atacar no plano simbólico.

Queremos de volta o cão-de-água-português da Malia e da Sasha. E é já.

O Bo é nosso. Ele é o nosso Bolinhas.

Uarf, uarf! Ão, Ão!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Usuários de marijuana querem pagar impostos

Este anúncio foi produzido pelo grupo Marijuana Policy Project (MPP), que defende a legalização e taxação da maconha, está a causar uma grande polêmica nos Estados Unidos. O comercial, protagonizado por uma usuária de meia-idade, defende a solução da taxação de impostos sobre maconha como forma de ajudar a combalida economia do estado da Califórnia. Algumas das principais emissoras de TV do país aceitaram veicular o comercial, outras, porém, o recusaram.

Meritocracia: Há que recompensar aqueles que com tanto esforço, abnegação e sobretudo talento conseguiram levar tão respeitável instituição à falência

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Os guardiões dos sonhos


O livro Os guardiões dos sonhos, de Cristina Montalvão Sarmento, é hoje apresentado por Adelino Maltez e João Luís Lisboa, no Centro Nacional de Cultura (ao Chiado, Lisboa), às 21h.
Como refere o seu subtítulo, trata-se dum estudo sobre as Teorias e páticas políticas dos anos 60, o período de todas as utopias e acções, que contribuiram para o alargarmento do espaço público, o aprofundamento da democracia e para novas formas de fazer política.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Esta semana: Cimeira dos G8 em Áquila

E parece que o ambiente está no topo da agenda...

Entretanto na sexta-feira, no Reino Unido, celebramos o Green Britain Day.
Não terá a pompa da cimeira, mas se calhar faz mais diferença.
O objectivo é pôr o ambiente no topo da agenda do cidadão comum, é fazer-nos repensar a maneira como comemos, como nos vestimos, como nos deslocamos.

video

Ressurgimento e multiplicação de Michael Jackson

Como um artista solitário e excêntrico pode inspirar comuns prisioneiros filipinos. Como o extremamente individual se pode tornar social. Como adereços reais podem ser usados para imitar um devaneio virtual que imita um pesadelo íntimo que imita percepções da realidade.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Façam um mundo melhor, ouviram?


domingo, 5 de julho de 2009

Lobo Antunes é aplaudido de pé: escrever não sai do corpo, sai da alma.

“Se alguém quer ser escritor deveria ver por 10 minutos Mané Garrinha jogar, pois não sai do corpo, sai da alma”, disse o escritor português António Lobo Antunes, que participou ontem da mesa “Escrever é preciso”, da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). “Para escrever tem que ter dentro de si um Garrincha. É muito difícil, tem que fazer um esforço”, afirmou o vencedor do prêmio Camões em 2007, que ao fim de sua apresentação foi aplaudido com vontade pela plateia toda de pé, ao som uníssono de “aaaaaah” em sinal de lamento por sua participação ter chegado ao fim.

IMAGEM DOMINICAL conflitos em honduras

Confronto entre soldados e manifestantes que reagiram ao golpe militar que derrubou o presidente eleito de Honduras, Manuel Zelaya. Foto de Esteban Felix/AP retirada daqui.

***

Atualização:

O governo golpista de Honduras proibiu hoje o anunciado retorno ao país do presidente eleito e deposto Manuel Zelaya, que está nos Estados Unidos.“Eu dei ordens para que não se deixe entrar, venha quem venha, para que não se cometa a imprudência de que morra um presidente da República, que se vá ferir um presidente da República ou que morra quem quer que seja”, ameaçou o ministro das Relações Exteriores hondurenho, Enrique Ortez. Imagem retirada do inSurGente. Mais.

sábado, 4 de julho de 2009

Dawkins, o peregrino da evolução e do ateísmo arranca aplausos na Flip


O biólogo evolucionista Richard Dawkins é uma das grandes estrelas deste ano da Festa Literária de Paraty (Flip). Ao longo da sua carreira acadêmica, Dawkins vem defendendo a ideia de que a religião é nociva às pessoas e trouxe muito mais violência que paz ao mundo. Seu maior desejo é o de motivar os ateus a se declararem ateus e assumirem uma postura de seres descrentes. Para ele, o mundo seria bem melhor sem Deus.

Nascido no Quênia e naturalizado inglês, Dawkins foi eleito um dos 3 intelectuais mais importantes do mundo, juntamente com Noam Chomsky e Umberto Eco, segundo uma sondagem promovida pelas publicações britânicas The Guardian e Prospect, em 2005. Em seu livro “The God Delusion” (a sua obra mais polêmica e mais lida no mundo), ele explica as razões que o levam a não crer em Deus e nem nas religiões. Taí uma boa dica de leitura. E que cada um tire as suas próprias conclusões.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

The Big Lunch

Porque neste mundo virtual e apressado em que vivemos me fascinam as pequenas iniciativas que promovem o contacto humano, aqui fica mais uma ideia que me pareceu engraçada. O Big Lunch quer tirar toda a gente do Facebook por algumas horas e juntar os vizinhos de todo o país num grandioso almoço à la Pátio das Cantigas. Os autores pretendem celebrar o espírito comunitário e ajudar a combater a criminalidade e a depressão. Para divulgarem o projecto lançaram uma série de iniciativas e puseram-se a plantar hortas e jardins por onde passam. Os patrocinadores são muitos, mas o anúncio da MasterCard está giro e resume bem a ideia: "Turning our streets into neighborhoods - Priceless".

Game show de TV turca quer converter ateus

Ateus - tv turca Uma emissora de TV turca transmitirá um game show, “A competição dos penitentes”, onde 10 concorrentes ateus ou agnósticos serão convencidos a se converter ao islamismo, ao cristianismo, ao judaísmo e ao budismo. O prêmio para os vencedores será uma peregrinação às respectivas cidades sagradas: Meca, Jerusalém e Tibete. Mais.

Imagem retirada daqui.

Lula, apenas uma triste e sombria imagem do que já foi no passado

lulaSombraAMar Quem te viu, quem te vê!? É o mínimo que posso dizer neste momento do presidente Lula da Silva e o PT (Partido dos Trabalhadores). Daquela imagem do sindicalista combativo da Ditadura Militar, do homem que defendia preceitos éticos na política brasileira e a moralidade pública só resta uma triste e sombria imagem perdido no passado. Uma imagem fascinada pelo poder e suas benesses, onde a arrogância, a vaidade e a falta de escrúpulos políticos beira à indecência. Uma imagem fantasmagórica e de contorno obscuro.

É desolador vê-lo agora a advogar por uma das figuras mais repugnantes do cenário político brasileiro, o senador e ex-presidente da República José Sarney. Sarney além de ter sido um ferrenho defensor e cúmplice da Ditadura Militar, é o homem cuja biografia política é composta apenas por falcatruas. Mantê-lo na presidência do Senado, como defende incondicionalmente Lula, é o mesmo que dar as mãos e acolher pra si o que há de mais sujo em toda História da República brasileira. Pior. É perpetuar no poder uma corja que tomou de assalto este país, em 1964, e dele fez (e faz) um balcão de negócios pessoais. É como dar na cara de muitos brasileiros que acreditaram que o interesse público ficaria acima do interesse privado quando o elegeram para ocupar o suntuoso Palácio da Alvorada.

Enfim, seria interessante que Lula e o PT explicassem publicamente (não com a retórica da governabilidade como estão a fazer) por que deixaram para traz todo um passado ético e agora se aliam ao que há de mais podre, imoral e nocivo no Brasil. Mas creio que isso não será mais possível, mesmo por que esse passado já está morto e enterrado a 7 palmos do chão. E eu não acredito em ressurreição.

***

Alguns dos escândalos mais recentes do Congresso Nacional:

Atos secretos – Os atos secretos foram decretados para nomear parentes, amigos, criar cargos e aumentar salários sem qualquer critério técnico. Um levantamento mostra que mais de 600 decisões não foram publicadas no Diário Oficial da República. Entre os muitos beneficiados, constam nomeações de parentes e afilhados de Sarney. Também se descobriu que os tais atos secretos serviram para pagarem o salário (aproximadamente 12 mil reais) de um mordomo da agora governadora Roseana Sarney (filha do dito cujo), reformas luxuosas de casas e cirurgias estéticas da madame.

Passagens aéreas - Deputados e senadores levaram parentes e assessores em viagens pelo Brasil e para o exterior usando a cota de passagens aéreas do Congresso.

Horas extras - Pagamento de 6,2 milhões de reais de horas extras a mais de 3.000 funcionários em janeiro, quando o Congresso Nacional está em recesso parlamentar.

Caso Zoghbi - O ex-diretor de Recursos Humanos, João Carlos Zoghbi, é acusado de cobrar propina para favorecer empresas interessadas em prestar serviços ao Senado. Também foi acusado de usar a ex-babá como “laranja” para receber 2,3 milhões de reais do Banco Cruzeiro do Sul, responsável por operações de empréstimos consignados a funcionários do Senado.

Caso Agaciel - O diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, foi acusado de omitir de seu patrimônio uma mansão de 5 milhões reais e de fazer contratos irregulares.

Auxílio moradia - Sarney admitiu que vinha recebendo 3.800 reais de auxílio moradia desde 2008. O benefício não deveria ser concedido, uma vez que Sarney mora em Brasília.

Nepotismo - Diretores burlavam a lei antinepotismo empregando parentes por meio de empresas terceirizadas.

Celular - O senador petista, Tião Viana, cedeu um celular do Senado para a sua filha, que viajou de férias para o México e gastou quase 15 mil reais em ligações.

Funcionária fantasma - A funcionária fantasma Luciana Cardoso, filha do ex-presidente tucano, Fernando Henrique Cardoso, admitiu que “trabalhava” em casa porque o “Senado é uma bagunça generalizada”.

Jatinho – O senador cearense Tasso Jereissati (PSDB) usou parte de sua verba de passagens para fretar jatinhos e viajar alhures.

Fonte: Jornal o Estado de São Paulo.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Justiça da Índia derruba lei que proíbe sexo entre homossexuais

ARCO A Alta Corte da Índia decidiu que as relações sexuais consentidas entre adultos do mesmo sexo devem deixar de ser crime no país. A Corte considerou a lei discriminatória e uma violação aos direitos fundamentais. A decisão reverte uma lei de 148 anos que havia sido herdada do tempo em que o país era uma colônia britânica e que qualificava sexo entre indivíduos do mesmo gênero como "um atentado contra a natureza". Relações sexuais entre gays eram passíveis de multa ou uma punição de até dez anos de cadeia. Contudo, tal decisão ainda pode ser contestada. Mais.

Os filhos pródigos da liberdade, ou a evocação oportuna do exílio político português



Fifa x religião. Quem vencerá?

kaka_jesus A comemoração dos jogadores brasileiros pela conquista do título da Copa das Confederações causou alguma polêmica na Europa. A queixa é de que a seleção estaria usando o futebol como palco para a religião.

Após a vitória sobre os Estados Unidos, os jogadores do Brasil fizeram uma roda no centro do campo e rezaram o “Pai Nosso”. Além disso, muitos deles vestiram camisetas com mensagens religiosas. Tal atitude desagradou principalmente a Associação Dinamarquesa de Futebol, que exige uma posição mais firme da Fifa. Pede punições para evitar que isso volte a ocorrer.

O principal argumento de quem se opõe a esta forma de comemoração é de que o comportamento dos brasileiros seja copiado por muçulmanos, que estão em vários clubes europeus, abrindo assim caminho pra “extremismos religiosos”. Argumentos como estes, além de serem preconceiutosos, pra mim soam como verdadeiros atos terroristas.

Bolas, parece-me que a questão crucial não foi a manifestação dos beatos brazucas em África do Sul. Veladamente, este é mais um pretexto pra coibir uma possível manifestação religiosa por parte dos jogadores muçulmanos em suas comemorações. Cabe à Fifa, entretanto, promover a tolerência entre as diferenças e não eliminá-las, sejam elas étnicas, culturais ou religiosas. Concordo que os brasileiros exageram um pouco na dose. Mas proibir toda e qualquer manifestação religiosa nos campos de futebol é uma medida arbitrária e perigosa. É, a rigor, um ato de censura a um direito fundamental da individualidade: o de se expressar religiosamente . O mesmo vale pra quem tem convicções ateístas.

Detalhe: A delegação brasileira que formou a tal roda de oração é bem ecumênica, pois é composta por católicos, protestantes, judeus e espíritas. Mais.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Quem vê cara não vê coração

fatima = volpi fatima   galeno


Uma representação abstrata de Nossa Senhora de Fátima está a gerar uma enorme polêmica entre os fiéis da Igreja Nossa Senhora de Fátima (a Igrejinha, como é carinhosamente conhecida pelos habitantes de Brasília), que veem na obra do artista plástico Francisco Galeno um "desrespeito à tradição católica". Pobres almas cegas e fanáticas.

Projetada por Oscar Niemeyer, a Igrejinha foi construída em 1958 e levava uma pintura do ítalo-brasileiro Alfredo Volpi, composto por uma Nossa Senhora com o menino Jesus no colo (os dois sem rosto). Por considerá-la “profana”, a imagem original foi barbaramente destruída, anos depois, por vândalos que de diziam defensores dos “bons princípios” cristãos, como se fossem portadores de uma procuração Divina pra fazer e desfazer o que bem entendem.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico brasileiro tentou recuperar a pintura original, mas devido a impossibilidade técnica convidou o artista Francisco Galeno para fazer novos painéis. Assim como Volpi, Geleno manteve a imagem da santa sem rosto. Ela tem uma pipa (papagaio) no lugar das mãos. O rosário é representado por um carretel de linha e a coroa é decorada com flores. Segundo o pintor, pipas e flores foram criadas para representar a alegria das crianças que viram a Virgem Maria - Lúcia, Francisco e Jacinta. Mais.