quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Zé Paulo, um exemplo da boa bd portuguesa

Retomando a rubrica dedicada à bd e ilustração, na qual falei há uns dias atrás do Zé Manel, cabe agora destacar outro Zé, o Zé Paulo.

José Paulo Abrantes Simões, seu nome civil, nasceu em 1937, em Lisboa e, como muitos artistas nativos, fez a sua formação na Escola de Artes Decorativas António Arroio (nem todos podiam ascender à universidade...). Tem uma obra abundante e, à imagem doutros colegas portugueses, publicou no estrangeiro, p.e., na revista alemã Pardon (várias bd's), em 1974. Porém, e segundo Geraldes Lino, a sua produção mais relevante saiu na revista Visão (1975/6). Para ela fez «várias obras de grande nível e variados temas, algumas delas realizadas em colaboração»*.
Embalado nesta onda criativa, estreia-se no formato de álbum em 1977, com aquela que se tornaria uma das referências da bd lusa do PREC, A direita de cara à banda (desenhada), recolha da rubrica «Os direitinhas», saída no jornal o diário, com o qual se identificava ideologicamente, enquanto militante comunista (vd. aqui). Ainda respeitante ao PREC, é dele uma das séries de cartazes cívicos mais interessantes da época, «Vão a escola? Não, vão votar» (1975), com o pseudónimo M. Tavares (para +inf. vd. aqui). Pelo estilo, suspeito que seja ainda o autor de muitos outros, como o da campanha do «suplemento alimentar» nas escolas públicas (do IASE).
Pouco depois escreve e desenha uma bd a preto e branco dedicada a Lisboa, Memórias do último eléctrico do Carmo (1979), originalmente editada no suplemento «DL Fanzine», do Diário de Lisboa.
Tal como Zé Manel, também colaborou com bd's para crianças na revista O Fungagá da Bicharada.
Participou ainda notras revistas/ fanzines portuguesas de bd (Lx Comics, 1991; Tertúlia BDzine; 2007; Eros, 2007; Efeméride, 2007-8) e com outros editores (episódio «Satanás 3, Deus 1» em Novas 'fitas' de Juca e Zeca, 2000).

Faleceu no final de 2008, vítima de cancro. Para quem estiver interessado na sua opinião sobre o início da sua fase mais profícua, pode ler esta entrevista ao autor.

*Abril águas mil e Os loucos da banda, no n.º 1; Fábula de um passado recente, no n.º 4; H20, no n.º 5; A batalha de Rzang, no n.º 7; Histórias que a minha avó contava para eu comer a sopa toda, nos n.ºs 7-9;  O espantalho, no n.º 8; A família Slacqç, nos n.ºs 9-10; O teu amor e uma cabana, nos n.ºs 11-12.

1 comments:

ed hardy chothes disse...

Our store provides wholesale cheap ed hardy with high quality,we also discount wholesale cheap ed hardy shirts,wholesale cheap ed hardy bandbags,wholesale cheap ed hardy jackets,wholesale cheap ed hardy bikini,wholesale cheap ed hardy jeans,wholesale cheap ed hardy t-shirt,wholesale cheap ed hardy clothes for sale at http://www.gotoorder.com.

Don Hardy was a distinguished writer, painter, publisher as well as a tattoo maker known the world over until he was contacted by Christian Audigier wholesale cheap Ed hardy bandbags in the year 2004 to start on a new line of clothes. Known as the Ed hardy clothes line, Don Hardy had the talent in wholesale cheap Ed hardy jackets him to bring forth a variety of attire that not only displayed his great skills in making tattoos but also exhibited why he was selected for a task hat most others failed to execute. The Ed hardy clothing line is the result of Ed hardy’s hard work and includes just about everything from clothes for men as well as women besides shoes,wholesale Ed hardy bandbags and caps.
The colors that are normally used in wholesale cheap Ed hardy clothes are luxuriant and bright, wholesale cheap Ed hardy T-shirt the tees are the work of an artist and the swimwear is imprinted with a generous measure of tattoo designs while the sunglasses and caps come along with an onslaught of drawings which could wholesale cheap Ed hardy jackets put even the best of designers a run for their money. In other words, theEd hardy Clothes Line is a great piece of artistic work which definitely stands out from the rest of the crowd.