quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Como o povo amava os seus reis....

...amava-os tanto que até fizeram uma revolta republicana, há precisamente 117 anos. Assaltaram o antigo edifício da Câmara Municipal do Porto ao som da Portuguesa, subiram à sua varanda e saudaram a população que entretanto aí se tinha juntado. De seguida, foram suavemente reprimidos: alguém lhes terá feito saber, de forma civilizada como é apanágio das monarquias liberais (tradução: com canhoada, prisões e fecho de centros republicanos), que nestas reinava a ordem perfeita, com breves acidentes de percurso devidos à insanidade de uns quantos lunáticos, mas sempre no bom caminho - raramente duvidando e nunca se enganando.
Como esta intentona não saiu vitoriosa, os malandros voltaram a reincidir, em 1908 e em 1910. Tiveram o desplante de se insurgir, entre outras coisas, contra um decreto do ditador João Franco (colocado no poder pelo mimoso D. Carlos I) que lhe conferia poderes de excepção, permitindo-lhe perseguir, prender e deportar (sem processo judicial) qualquer pessoa suspeita de republicanismo activo ou de mera insubmissão ao regime e ao governo. E não é que, da última vez, conseguiram vencer, co'a breca? Pior, desfizeram-se dos monarcas, que tanto carinho e rebuçados dispensavam ao povoléu, parece impossível. Pobres e mal agradecidos, é o que é.
Mais informações sobre este dia venturoso nos blogues Largo da Memória e Ponte Europa, e no site República e Laicidade.
Na imagem, reprodução de gravura da revista Ilustração (retirada do blogue Ante & Post).
PS: afinal, parece que já não há fanfarra do Exército nas novas festas monárquicas (vd. aqui). Salvem-se as peles e as lantejoulas, ao menos isso...
PS-II: o PR, esse não muda de rumo e foi inaugurar uma estátua do D. Carlos I-homem-dos-oceanos/da-pintura/benfeitor-incompreendido, lá para os lados da linha, com as tias e tios da marina. Aproveitem o Aníbal, enfiem-lhe um escafandro e enviem-no para o alto mar, que ele tem sempre o rumo certo.

5 comments:

Sofia Rodrigues disse...

:-))
...e que elegante ficaria Aníbal de escafandro.

Elisa disse...

Eu subscrevo o PS II completamente. Aliás se lhe quiserem juntar mais o 1º ministro e todos os ministros deste governo continuarei a subscrever... aliás bom mesmo mesmo era darem-nos um escafandro a cada um e ala... rumo a qualquer parte ;-)

Daniel Melo disse...

É isso mesmo, Sofia e Elisa: o povo exige escafandros para todos!
Apoiado!
Como se aproxima o Carnaval, pode ser que haja quem aproveite e se disfarce de monarca, sempre teria outra graça...
..e se manteria a sábia tradição :P

Rui Monteiro disse...

Nem sei para que é que se são ao trabalho de "comemorar" o 31 de Janeiro. As pessoas que são cultas sabem que foi em reacção ao Ultimato Inglês que obrigava Portugal a dar as terras em África ou então tínhamos uma declaração de Guerra da Maior potência Militar do Mundo da altura... Era giro D.Carlos ter levado Portugal para a Guerra, provavelmente não seríamos independentes.
Mas quanto ao Povo, o povo na esmagadora maioria amava o Rei.
Deixo um excerto de uma carta a D.Manuel II :

"Se isto não bastar pense na maioria do Pais, a que não está estragada pela falsa instrução e educação ou que não está cega pela ambição desmedida, e pensa como a Produtora pensa...

Lembra-se na volta da Carregosa (?), um homem chegou-se ao pé de Vossa Magestade perguntando-lhe se era o Rei, e, quando teve a certeza, disse-lhe: “Vossa Magestade é que é o verdadeiro patriota, vem até aos pobres para conhecer as suas necessidades, não corno os que estão em Lisboa (políticos) que só se lembram de nós para pedirem votos. Se digo isto não é para pedir esmola, que eu com estas mãos calejadas (e mostrou as mãos) bastam para sustentar minha mulher e 5 filhos, mas para que façam caso de mim" e levantou um "viva ao verdadeiro Patriota" (?).

Lembra-se do carreiro na descida do Pessegueiro, quando se perguntou porque não arranjavam a estrada, dizer "os comilões de Lisboa gastam o dinheiro todo~ não querem saber de nós; para aqui é que eles deviam vir para saberem quanto custa a

ganhar a vida" (7). "

Mais podem ler no blog

http://esquerda-monarquica.blogspot.com

Enfim ...

VIVA O REI !!!

Daniel Melo disse...

Caro Rui Monteiro, esse atestado «pessoas cultas» não fica bem a alguém que se diz de esquerda. Além de não corresponder à verdade. A questão do vexame territorial foi, quando muito, uma das razões e tinha muito a ver com a recusa da arrogância imperial inglesa, que antes já tornara o país um protectorado inglês.
Sabe perfeitamente o que está aqui em causa: República vs. Monarquia.

Também não fica lá muito bem essa de dar vivas ao rei. Então, a soberania é dos povos ou dos nobres? É o direitos dos cidadãos se governarem a si mesmos ou o de pessoas de berço d'ouro fazerem paternalisticamente e inimputavelmente o que lhes aprouver?

Só há verdadeira democracia sob os regimes republicanos.
O resto são arcaísmos «Ancien Régime».
A continuidade histórica deve ser antes procurada na salvaguarda duma memória histórica pública.

E viva a República!