sábado, 27 de fevereiro de 2010

Ateus, progressistas e homens monógomos são mais inteligentes.

Segundo um estudo de um grupo de investigadores da London School of Economics, indivíduos que se identificam como ateus ou progressistas tem um QI superior aos que se identificam como religiosos ou conservadores, notícia a CNN (o estudo analisa uma amostra da população americana). O mais curioso do estudo é que existe também uma correlação entre o QI e a monogamia nos homens mas não nas mulheres. Não sei o que pensar disto.
Como sempre nestes estudos de correlações pode sempre perguntar-se qual é a causa e qual é a consequência. Ser mais inteligente leva a ser-se ateu e progressista, ou ser-se ateu ou progressista torna as pessoas mais inteligentes?
Dum ponto de vista mais científico, no artigo citado um autor do tal estudo e outro especialista discorrem sobre o potencial significado evolutivo destas descobertas. O que é estranho é que assumem imediatamente que a inteligência é uma vantagem e que é hereditária. Nem uma coisa nem outra estão comprovadas, antes pelo contrário.
P.S. - As diferenças de QI, embora estatisticamente significativas, são pequeninas, mas isso não interessa nada, isto é apenas um blogue.