domingo, 6 de dezembro de 2009

Crónica duma morte anunciada

No regresso a Marrocos duma viagem ao estrangeiro Aminetu Haidar, activista pela autodeterminação do povo sarauí, escreveu num documento «Sara Ocidental» no espaço destinado à nacionalidade, território este sob ocupação militar marroquina desde 1975. Por causa disso foi detida pelas autoridades marroquinas, interrogada, privada de telefone e passaporte, e expulsa do país, juntamente com os seus filhos, tendo voado para Lanzarote, a ilha de Saramago. Como forma de protesto por não poder regressar à sua terra, iniciou uma greve de fome, no dia 14/XI. Ontem tentou regressar, mas foi novamente proibida. Irá prosseguir até ao fim, já o garantiu. Os médicos consideraram crítico o seu estado de saúde.

Perante isso, o premiê espanhol cometeu um duplo e grave erro: 1.º) rejeitou a intermediação por parte do rei espanhol; 2.º) em vez de recorrer à forte arma de pressão que seria a ameaça de boicote da admissão de Marrocos à UE, optou insensivelmente pela opção mais fácil: «“Às vezes, como é normal, surgem dificuldades, mas deve prevalecer o que é do interesse geral [para o país]”».

Resposta de Haidar: «“Volto a dizer, o Governo de Espanha é cúmplice de Marrocos e ambos os governos querem empurrar-me para a morte”, denunciou Haidar.».

É duma estupidez tamanha esta opção do governo espanhol. Zapatero irá pagar caro este erro tremendo.

Como diz o actor espanhol «Bardem: ’Si Haidar cierra los ojos, el Gobierno de España será verdugo’».

3 comments:

Manolo Piriz disse...

Daniel, dever ser a política da boa vizinhança do ZP. Afinal, a Espanha ocupa ilegalmente parte do território marroquino. E o peor de tudo é que a mídia internacional pouco ou quase nada tem divulgado o assunto.

jrd disse...

Também já me indignei com tanta hipocrisia:
http://bonstemposhein-jrd.blogspot.com/2009/11/aminetu-haidar.html

Daniel Melo disse...

Hoje, 2 dias depois deste post, as notícias são ainda mais desanimadoras, pois Haidar recusou apoio médico e prossegue a sua greve de fome (http://jornal.publico.clix.pt/noticia/08-12-2009/activista-saraui-em-greve-de-fome-rejeita-apoio-medico-18370946.htm).

Que tristeza tamanha termos que acompanhar este desfecho anunciado, esta dor enorme, sem nada podermos fazer do que tentar alertar, do que nos entristecermos.

Que revoltante impotência a nossa.

Que revoltante o silêncio dos grandes.