sábado, 4 de abril de 2009

Choose what you read!

Ao longos dos últimos anos tenho lamentado com frequência a aridez deprimente e desarrumada criada pelos jornais gratuitos espalhados pelo metro e pela cidade. Nunca os leio por uma questão de princípio!

Quando vim para Londres, as pessoas "escapavam" às penosas viagens de metro lendo livros e publicações diárias respeitáveis com páginas gigantescas e misteriosas. Essa imagem foi substituída por esta da massa amorfa de gente que se entretém a ler sobre a vida das celebridades e os pormenores sangrentos do último crime. Quando chegam à estação atiram com o jornal para o banco e pronto.

Mas finalmente, alguém mais dinâmico do que eu fez algo positivo e criativo para combater esta apatia urbana. Claire Wilson criou no Facebook um movimento chamado "Choose what you read". Ela e os amigos pediram às pessoas que doassem livros e ao fim do dia vão para as estações de metro mais movimentadas e dão livros aos transeuntes. Criaram ainda pontos de recolha para os leitores poderem devolver os livros que leram para que continuem em circulação. Fantástico, não é?!

5 comments:

jrd disse...

Pois é; por aí pode-se escolher o que se lê, por aqui nem sempre se se pode ler o que se escolhe, já que a crise é analfabeta.
Talvez porque durante muito tempo, não se podia escolher e ler tão-pouco.
Gostei de passear por aqui, a pé para fazer jus ao nome. Vou continuar.

godgil disse...

Olá Paula. A ideia é excelente e parece uma versão mais organizada do "Bookcrossing". Fica bem.

PS: Espero que por este ser um blog feminista não censurem os desgraçados e "miseráveis" portadores de cromossomas xy.

Paula Tomé disse...

Olá, ainda bem que gostaram, voltem sempre. Acho que aqui só censuramos a censura, bem-vindo António, tudo bem? Espero ver-te em Lisboa para a semana.

Manolo Piriz disse...

Paula, taí uma belíssima ideia pra ser roubada por todas as urbes. Afinal, a leitura não deixa de ser uma forma de viagem. E o melhor de tudo: é ecologicamente correta.

Cláudia Castelo disse...

A ideia é óptima e mostra uma sociedade civil de fazer inveja!
Em Espanha, foi a Comunidade de Madrid, uma entidade administrativa e política regional, a disponiblizar leitura gratuita e plural no metropolitano. Ali, vem viaja de metro tem ao seu dispor a Bibliometro (uma biblioteca pública no Metro de Madrid), onde pode escolher o que vai ler entre a oferta de todas as bibliotecas públicas da Comunidade. O empréstimo por 15 dias, renováveis por mais 15, pode ser feito em diversas estações (Aluche, Canal, Moncloa, Nuevos Ministerios, Sierra de Guadalupe, Puerta de Arganda, Mar de Cristal, Puerta del Sur y Embajadores) e o livro pode ser devolvido numa estação diferente daquela em que foi feito o empréstimo.
Outra ideia que valia a pena imitar...