quarta-feira, 10 de setembro de 2008

EN 222

Em momento nacional das férias conheci o Douro, ou melhor, percorri a EN 222, denominação talvez demasiado administrativa, pelo o que fica a estrada para o Pinhão (vinda de Lamego).
A paisagem, toda ela de uma falsa natureza, na forçada simetria das encostas, no riscado caudal do rio por aceleradas e recreativas lanchas, nas fachadas das burguesas quintas DOC, é de estarrecer.
«Uma beleza que parecia desperdício se não fosse admirada», diz-se no filme Vale Abraão, a propósito da «bovarinha», mas a epígrafe igualmente descreverá o lugar.
De resto, a paisagem e o filme, que vi depois, combinam muito bem, pois de «falsidades» com um toque de afectação tratam, mas das dignas de contemplar.

P.s. - Daniel, Zéd, Manolo, e que tal Vinho do Porto ao domingo? Acho que ainda não se escreveu sobre ele.
P.s.1 - Também já me disseram que no Outuno, a mesma estrada, fica ainda mais bonita. Bom para quem tenha férias mais tardias.

3 comments:

Manolo Piriz disse...

Olá, Sofia.

Não sei como anda agora, mas quando estive por essas bandas era bem visível a alteração topográfica de toda a região por conta das plantações de vinhas, que não respeitavam qualquer norma ambiental. Talvez por isso essa sua sensação de “uma falsa natureza”. Mas, apesar disso, é um passeio belíssimo. Já sobre um post sobre o Vinho do Porto, agradeço a lembrança, mas passo essa missão ao Daniel ou Zèd (ou ambos), pois da minha parte só sei bebê-lo ao sabor de bons aperitivos.

Tim-tim.

Daniel Melo disse...

Ora aí está uma excelente ideia (e um bom post: guardo boas recordações do Douro, do passeio pela linha do Tua, há já 20 anos atrás).
Infelizmente, será de todo impossível para mim neste domingo, por isso passo o cálice ao Zèd.
Como o vinho do Porto é um mundo, julgo que haverá espaço para todos os que queiram escolher um da sua preferência e falar dele.
Eu tenho um, depois direi, noutro domingo deste Outono que se aprochega...
Então e o vinho da Madeira, não tem lugar?
E o Moscatel?

Zèd disse...

Belo post. Acreditem ou não nunca tive no Douro (blasfémia!).
Não sou conhecedor do Porto, o que não me impede de ter opinião sobre o assunto. Hèlas, este fim-de-semana estou sem acesso à internet.

Podemos começar para a semana com o Daniel. E, claro, vinho da Madeira, e Moscatel, também terão que ser abordados. Esquecimento imperdoável do Peão.