sábado, 4 de julho de 2009

Dawkins, o peregrino da evolução e do ateísmo arranca aplausos na Flip


O biólogo evolucionista Richard Dawkins é uma das grandes estrelas deste ano da Festa Literária de Paraty (Flip). Ao longo da sua carreira acadêmica, Dawkins vem defendendo a ideia de que a religião é nociva às pessoas e trouxe muito mais violência que paz ao mundo. Seu maior desejo é o de motivar os ateus a se declararem ateus e assumirem uma postura de seres descrentes. Para ele, o mundo seria bem melhor sem Deus.

Nascido no Quênia e naturalizado inglês, Dawkins foi eleito um dos 3 intelectuais mais importantes do mundo, juntamente com Noam Chomsky e Umberto Eco, segundo uma sondagem promovida pelas publicações britânicas The Guardian e Prospect, em 2005. Em seu livro “The God Delusion” (a sua obra mais polêmica e mais lida no mundo), ele explica as razões que o levam a não crer em Deus e nem nas religiões. Taí uma boa dica de leitura. E que cada um tire as suas próprias conclusões.

2 comments:

João Miguel Almeida disse...

«A religião é nociva às pessoas.» Quer dizer que religiosos como Luther King, João XXIII, Soljenitsine, Teresa de Calcutá foram mais nocivos à humanidade do que ateus como Estaline, Mao Tse-Tung, Pol Pot e Ceausescu?

Manolo Piriz disse...

Concordo contigo, João.

Não vejo também como a prática religiosa em si pode ser nociva às pessoas. Entretanto, não se pode negar a associação existente entre política, religião e violência ao longo da História da humanidade. Em nome da religião ou contra ela já se cometeu muitos crimes humanitários. O problema é saber até onde vai a irracionalidade política e aonde começa a religião num processo político. A simbiose entre ambas tem tudo para se transformar num artefato bélico de alto poder destrutivo.