quarta-feira, 1 de julho de 2009

Quem vê cara não vê coração

fatima = volpi fatima   galeno


Uma representação abstrata de Nossa Senhora de Fátima está a gerar uma enorme polêmica entre os fiéis da Igreja Nossa Senhora de Fátima (a Igrejinha, como é carinhosamente conhecida pelos habitantes de Brasília), que veem na obra do artista plástico Francisco Galeno um "desrespeito à tradição católica". Pobres almas cegas e fanáticas.

Projetada por Oscar Niemeyer, a Igrejinha foi construída em 1958 e levava uma pintura do ítalo-brasileiro Alfredo Volpi, composto por uma Nossa Senhora com o menino Jesus no colo (os dois sem rosto). Por considerá-la “profana”, a imagem original foi barbaramente destruída, anos depois, por vândalos que de diziam defensores dos “bons princípios” cristãos, como se fossem portadores de uma procuração Divina pra fazer e desfazer o que bem entendem.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico brasileiro tentou recuperar a pintura original, mas devido a impossibilidade técnica convidou o artista Francisco Galeno para fazer novos painéis. Assim como Volpi, Geleno manteve a imagem da santa sem rosto. Ela tem uma pipa (papagaio) no lugar das mãos. O rosário é representado por um carretel de linha e a coroa é decorada com flores. Segundo o pintor, pipas e flores foram criadas para representar a alegria das crianças que viram a Virgem Maria - Lúcia, Francisco e Jacinta. Mais.