sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Alguém nos salve destes cartazes!

A outra campanha que já está aí a palpitar é a das autárquicas. Como essas eleições sucedem às parlamentares, têm estado um pouco arredadas do centro do tufão. Mas, não tarda nada, tomarão o palco.

Entremezes, os cartazes que vão surgindo que nem cogumelos pelas terras e terrinhas deste alegre Portugal, são a prova de que a crise, afinal, nem tudo levou consigo. Olhando para algum (a maioria?) deste material iconográfico, quase apetece gritar: ó crise, volta, e leva isto também contigo!

Suspeito que muito eleitores suspirem ao verem este cortejo kitsch. Na escola havia um termo para isto: poluição visual. Nalguns casos, a dúvida instala-se: se rir, se chorar. Motivos não faltarão, de resto: mau gosto, falta de jeito e imaginação, monotonia, repitação, ego trip.

É isso mesmo, uma ego trip selectiva, uma espécie de epidemia sectorial: o pessoal candidato a manda-chuva da xafarica chega a estas alturas e acha que é modelo de passerele. Doutro modo não se percebe esta fixação nas suas caras, penteados e fatiotas.

Que saudades do antigo bilhete-postal...

PS, PS: ah, e sobre o cartaz, não dá para evitar: sim, o Fundão vai ganhar - paciência; o povo votante vai ganhar - juízo; o candidato também - experiência, certamente (e umas novas gravatas também era capaz de dar jeito). Quem fica a ver navios é a Dona Estética. Discriminação de senhoras, onde é que já se viu isto? Tá mal.

nb: a imagem foi retirada do blogue acima referido, que, além das imagens, tem também bons comentários, incidindo em especial no design e na comunicação visual.