quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Retrospectiva do cineasta Amauri Tangará na Fabula Urbis

Esta 6.ª feira, a livraria Fabula Urbis propõe mais 2 filmes do brasileiro Amauri Tangará: Pobre é quem não tem jipe (1997) e A oitava cor do arco-íris (2004). A projecção conta com a presença do cineasta.
A livraria de Alfama prossegue assim a sua retrospectiva da obra deste cineasta nascido no Paraná e radicado no Mato Grosso, iniciada na 6.ª passada, com o documentário Carlos Reiners - o último comunista convicto do Pantanal (2002).
Na próxima semana será a vez da estreia mundial do seu último Horizontem, apoiado institucionalmente pela UNESCO, e de Ao Sul de Setembro (2005). A estreia em Portugal deve-se a Tangará estar neste momento uma temporada no país, preparando a peça «Em brasa», em conjunto com o Teatro O Bando, peça que se estreia a 17 de Abril no Teatro S. Luís, em Lisboa.
O resumo e ficha técnica dos filmes desta semana vêm aqui.
Para quem não sabe onde fica esta livraria lisboeta pode ver este mapa.

4 comments:

Isabel Valente disse...

Daniel, obrigada pela dica, mesmo! Bjns

Manolo Piriz disse...

Salve, Daniel.

Taí uma bela dica aos lisboetas. Tangará é imperdível. Assino em baixo.

Daniel Melo disse...

Ainda bem que foi do vosso apreço.
Apareçam :P

Isabel Valente disse...

Daniel, eu ia, com muito gosto, mas, a bem do debate das realidades reais, passo a expor o seguinte: sou mãe, por azar o pai do meu filho já não me pode ajudar, portanto, arranjas-me alguém de confiança que me fique com a criança a custo zero? É que além de mãe, sou "empresária em nome individual" em Portugal, portanto bastante falida, desgraçada pelos 21% de IVA, manietada por contribuições para a segurança social elevadas e que vai-se-a ver-não-nos-servem-para-o-quanto-nos-deviam-servir. Para mais, cadê a rede de apoio típica das sociedades humanas em pequena escala? Acabou maioritariamente com as mesmas. Vai daí, hei-de ir ao cinema, sim, mas é quando a vidinha me deixar. Entretanto vou saboreando as fitas da minha vida e desempenhando os papéis que ainda consigo desempenhar bem e da maneira que acredito que devem ser desempenhados, entre os quais s de mãe. ("As mulheres escolhem pouco a carreira política porque têm um sentido prático da vida." - ah pois é, bébé) Beijinhos.