sexta-feira, 8 de maio de 2009

EUA mostram a sua verdadeira cara no Paquistão

ISL12_PAKISTAN-VIOLENCE-_0507_11-p Depois que o governo declarou o fim do acordo de paz com o Taleban, a ofensiva militar do exército do Paquistão no Vale do Swat está a provocar a fuga de mais 500.000 refugiados, agravando assim a já péssima situação humanitária em que vivem os civis da região, há 2 anos vítimas das ações dos ultrafundamentalistas do Taliban, informa o Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

A nova ofensiva das forças armadas paquistanesas teve início na última quarta-feira, quando Barack Obama se reunia, em Washington, com os presidentes, Asif Ali Zardari, do Paquistão, e o afegão, Hamid Karzai (coincidência, não?).

Esta é a nova cara da política externa norte-americana. Ataca, mas depois lamenta “a perda de vidas inocentes”, após ter matado dezenas de civis afegãos, incluindo mulheres e crianças, durante um bombardeio aéreo na Província de Farah, na última terça-feira. E o pior está por vir: há quem acredite que, em questão de meses, estas ofensivas podem se converter num movimento nacional e detonar uma violenta guerra civil no Paquistão. Mais.

Imagem retirada daqui.

2 comments:

Zèd disse...

Manolo, o Obama sempre deixou bem claro na campanha, e mesmo antes: as suas prioridades eram retirar do Iraque e concentrar-se no Afeganistão, acabar o trabalho que está por fazer (o famoso "finish the job"). Podemos ou não concordar, mas ele sempre foi bem claro neste aspecto.
E afinal quem são os responsáveis pela situação actual, os EUA ou os Taliban? Devemos deixar os Taliban tranquilamente voltar a tomar conta do Afeganistão? Devemos encorajar o governo do Paquistão a aliar-se aos Talibans?

Manolo Piriz disse...

Sim Zéd, Obama deixou bem claro que trocaria a guerra do Iraque pela do Afeganistão (o que eu não concordo radicalmente), mas disse também que tentaria negociar com os “inimigos”. O que esta a acontecer no Paquistão é um desrespeito a um acordo de cessar-fogo que foi aceito pelo governo paquistanês e os talibans há 2 anos. Creio também que não se trata agora de culpar este ou aquele pelo conflito, mas sim dar proteção às vítimas civis. E foi esse o teor principal do meu post: “agravando assim a já péssima situação humanitária em que vivem os civis da região, há 2 anos vítimas das ações dos ultrafundamentalistas do Taliban”. Ou seja, em momento algum defendi o Taliban. Já quanto ao ataque norte-americano a que me referi, foi o que vitimou dezenas de civis e aconteceu na Província de Farah (fronteira com o Irã), bem distante da área de conflito. Creio que pedir desculpa por atos como estes não passa de pura hipocrisia. É um verdadeiro jogo de cena.